Slider

Contratação de empresas para serviços da Arsal vai custar quase R$ 9 milhões

Passou despercebida ontem, 26, a nova contratação que será realizada pelo Governo de Alagoas em benefício da Agência Reguladora de Serviços de Alagoas (Arsal) para os ‘serviços de apoio à atividade regulatória’ no estado.

No valor aproximadamente de R$ 9 milhões (exatos
R$ 8.984.472,40 – oito milhões, novecentos e oitenta e quatro mil,
quatrocentos e setenta e dois reais e quarenta centavos
), a Agência de Modernização da Gestão de Processos (Amgesp) publicou no Diário Oficial do Estado (DOE) de terça-feira, 26, o termo do direito que designa duas empresas para prestação de serviços.

O resultado da licitação do Pregão Eletrônico N.º AMGESP- 11.467/2018, Processo nº 49070-1677/201, concede para Santos
& Silva Serviços Ltda, de CNPJ: 07.139.196/0001-49, e a Freire
& Silva Construções Eireli, de CNPJ: 12.789.413/0001-86,
realizarem os serviços da Arsal.

Pela
quantia mensal e que resulta no valor global das propostas vencedoras,
a empresa Santos & Silva Serviços Ltda é que mais lucra com sete
(7) itens no total de R$ 6.935.492,40 (Seis milhões, novecentos e trinta
e cinco mil, quatrocentos e noventa e dois reais e quarenta centavos).


a Freire & Silva Construções Eireli, com apenas três (3) itens, vai
usufruir das contas dos Estado de Alagoas exatos R$ 2.048.980,00 (Dois
milhões, quarenta e oito mil e novecentos e oitenta reais) – os valores
distribuídos para um ano (12 meses) de serviços.

Ou
seja, o Governo de Alagoas vai gastar – em um ano – R$ 8.984.472,40
(oito milhões, novecentos e oitenta e quatro mil, quatrocentos e setenta
e dois reais e quarenta centavos) para manter o trabalho de regulação e
fiscalização de atividades coletivas essenciais realizado pela Agência
Reguladora.

Lembrando que, em agosto do ano passado, o Ministério
Público de Alagoas (MP/AL) pediu o afastamento do cargo do
diretor-presidente da Arsal, Lailson Ferreira Gomes, em ação de
improbidade, relatando que uma Organização Criminosa (Orcrim) faturou
mais de R$ 2 milhões em menos de três meses
, através da contratação “emergencial” com a empresa Conexão que, logo em seguida, teve o contrato cancelado com a Arsal.