webbanner_BEM+AULAS COM CUIDADO_728x90px
webbanner_BEM+AULAS COM CUIDADO_728x90px

Saia justa e vaias em Marechal mostram o termômetro eleitoral de 2020

Fotos: Facebook

Em ano eleitoral colocar um adversário no mesmo palanque é como se uma bomba estivesse pronta para explodir.

Cláudio Roberto Ayres da Costa, o Cacau (PSD), sentiu o gosto do ‘chocolate amargo’ – mais uma vez – na inauguração da Escola Estadual José Correia da Silva Titara, em Massagueira.

Cacau recebeu do governador Renan Filho (MDB) um presente que, segundo disseram ao Blog Kléverson Levy, foi de grego. O chefe do Palácio República dos Palmares e equipe colocaram o gestor numa verdadeira saia justa e apertada.

Ao se deparar (antes, a presença!) com o convite do cerimonial do Governo de Alagoas chamando o ex-prefeito de Marechal Deodoro, Cristiano Matheus (MDB), para fazer parte da inauguração oficial, a reação de Cacau foi de incômodo.

Tanto que nos vídeos (Veja abaixo), enviados ao Blog Kléverson Levy, o atual prefeito Cacau demonstra que não estava satisfeito com o evento que provocou vaias até para o próprio governador e o vice-governador, Luciano Barbosa.

Cristiano Matheus, por outro lado, estava tranquilo no palanque que – para ele – fazia parte de um evento do Governo de Alagoas, no qual havia sido convidado já que, como disse o então vice-governador, teve sua “marca” quando era prefeito deodorense.

Entretanto, o que ficou claro é Cacau não se sentiu confortável na inauguração da escola da Massagueira, estava inseguro e ainda deixou que sua ‘prole’ de comissionados vaiasse até RF e Barbosa.

Ou seja: a inauguração em Marechal Deodoro foi um mostra de que o termômetro eleitoral está subindo ao mesmo tempo em que o pleito 2016 não foi encerrado.

Portanto, o que ficou deselegante foi a claque – em sua maioria dos comissionados – em vaias que sobraram até para os chefes maiores do Estado de Alagoas.

Quanto ao fato de Cristiano Matheus, todavia, foi convidado pelo governador; é pré-candidato a prefeito e filiado fiel ao MDB; aliado Calheirista desde Murici (quando era menino) e sempre foi Renans de carteirinha.

Por fim, nem precisa perguntar de quem foi a culpa pela saia justa e vaias em Marechal. Afinal, o resultado foi apenas que o chocolate ficou ainda mais amargo e o palanque pesado provocou insatisfações que até hoje circulam áudios via “zap zap”.  

Será?

#VidaQueSegue

Deixe um comentário