PMM---H1N1---728X90px (2)
PMM---BEM---WEBBANNER-728X90px (1)

Deputados querem entender os “discursos vazios” de Santoro e o preço do combustível em Alagoas

Por Kléverson Levy

A discussão sobre o “preço do combustível em Alagoas” foi um dos temas levados ao plenário da Assembleia Legislativa de Alagoas (ALE) na sessão desta quinta-feira, 18.

Ao falar do alto custo do etanol que é repassado para os consumidores e que vem sendo cobrado nas bombas dos postos de todo estado, os parlamentares querem – agora – entender sobre essa elevação do preço que recai apenas para população.

O deputado estadual Francisco Tenório (PMN) foi um dos críticos ao secretário de Estado da Fazenda, George Santoro, que disse na imprensa uma frase que deixou os parlamentares irritados.

Santoro, ao citar sobre quem cobra a baixa dos preços dos combustíveis ‘sem ter conhecimento técnico a respeito do assunto’, respondeu que os políticos (sem citar nomes e cargos) têm “discursos vazios” em relação ao preço praticado em Alagoas.

Com isso, Francisco Tenório pediu – no plenário da Casa de Tavares Bastos – que os deputados estaduais convidem o ‘renomado técnico’ George Santoro para dar explicações.

“Eu quero sugerir que a gente trouxesse aqui a Casa, para explicar melhor essa política do preço de combustível, um renomado técnico do estado de Alagoas que é o secretário George Santoro. George, eu vi na imprensa, que ele disse que os políticos estão com os ‘discursos vazios’ e, talvez, por falta de conhecimento técnico sobre a matéria. Então, eu sugeria que nós convidássemos o secretário George para que ele desse explicações sobre o preço do combustível em Alagoas”, cobrou Tenório.

Jó Pereira também deu a ideia para que o Estado de Alagoas faça o uso do etanol/ Fotos: Igor Pereira-ALE

Em aparte, a deputada Jó Pereira (MDB) se alinhou no discurso do colega parlamentar em resposta ao que disse George Santoro.

“Os políticos não têm discursos vazios. políticos têm discursos que, mais cedo ou mais tarde, os governos e os técnicos ouvem. Além da percepção política, temos conhecimento técnico sobre a matéria e sabemos que o combustível em Alagoas poderia ter um preço menor do que tem hoje”, reforçou.

Ao encerrar o aparte, Jó Pereira também deu a ideia para que o Estado de Alagoas faça o uso do etanol nos veículos e frotas do Executivo estadual como uma ‘política de incentivo ao consumidor’.

Por fim, sobre a fala de Santoro de que os políticos têm “discursos vazios”, Francisco Tenório reiterou que é necessário saber os motivos técnicos de Alagoas ter produção de álcool próprio e um dos combustíveis mais caro do país.

“Ele [secretário] pode buscar alternativas e justificativas do preço nacional, mas, que justifique os motivos de Alagoas ter produção de álcool próprio e tem um dos combustíveis mais caro do país. Portanto, convido o secretário George Santoro em dar explicações para que nós, deputados, não ficássemos mais nos discursos vazios”, finalizou o deputado Francisco Tenório.

Em tempo!

Existiu um momento, não tão longínquo, onde o álcool/etanol era a alternativa para muitos consumidores que entendiam que a gasolina tinha desvantagem na hora do abastecimento.

Hoje, com o preço praticado nas bombas dos postos, o etanol passou a ser – em Alagoas – um combustível caro quando comparado em aproximação com a gasolina.

Apesar de ser produtor de álcool/etanol, Alagoas tem uma política econômica na cobrança dos impostos maior que outros Estados, inclusive, até nossos vizinhos (Pernambuco e Sergipe).

Essa é a realidade!

#VidaQueSegue

Email: redacao@blogkleversonlevy.com.br

Redes sociais: @blogkleversonlevy

Deixe um comentário